avestruz com borda

Veja se reconhece a cena: o sujeito, que começou uma dieta na semana passada, se esbalda durante o fim de semana. Adivinha se passa perto da balança no dia seguinte? De jeito nenhum. Outro exemplo: o estudante tinha uma prova difícil, mas trocou umas horas de estudo por um bom filme no cinema. Depois que sai o resultado, quem é que se arrisca a conferir a correção do professor? O tal do estudante é que não. Eis aí dois exemplos de uma atitude não lá muito louvável – mas, sejamos francos, muito comum. É o chamado “efeito avestruz”, expressão que remete à imagem mais famosa da maior ave do mundo: com a cabeça enterrada, ignorando tudo o que se passa ao redor.

ALERTA DE SPOILER! Na verdade, o avestruz não enterra a cabeça, mas como cisca no chão, a cena faz mesmo parecer que está com a cabeça embaixo da terra. Preciosismo à parte, vamos em frente com essa história. Continue a leitura abaixo!

Agora, se você acha que o “efeito avestruz” está restrito à vida escolar ou às variações do seu peso, saiba que está enganado. Os especialistas em finanças comportamentais tomaram a expressão emprestada para descrever um fenômeno que também é muito comum na hora de as pessoas lidarem com o próprio dinheiro. Essa tendência de ignorar informações ruins para evitar um desconforto psicológico ocorre – e muito! – também na vida financeira. Quer um exemplo? Quem aí já não “esqueceu” de dar uma conferida na fatura do cartão de crédito justamente naquele mês de dezembro, bem perto do Natal? Certamente não foi o caso de apenas um ou dois leitores!

Tá achando que é brincadeira? Pois saiba que não. Pesquisadores suecos e americanos comprovaram na prática a existência do tal “efeito avestruz” em 2009. Eles partiram do número de acessos que os investidores faziam nos sites das suas instituições financeiras apenas para conferir a quantas andava o valor das suas carteiras – basicamente, para tirar um extrato dos seus investimentos. Fizeram isso em dois períodos: entre 2002 e 2004 e entre 2006 e 2008. Descobriram algo muito interessante: cada vez que o mercado acionário começava a se sair mal, a quantidade de consultas diminuía. Mas se, por acaso, uma virada acontecia e as ações começavam a subir, automaticamente aumentava também o número de consultas. Os pesquisadores chamaram isso de “atenção seletiva”.

“Principalmente quando mantido por um tempo prolongado, esse tipo de comportamento pode levar a situações financeiras de risco, como a perda de controle sobre as próprias finanças ou a prejuízos consideráveis nas aplicações, já que os problemas financeiros continuarão ali, por mais que se tente negá-los”, explica a cartilha CVM Comportamental – Vieses do Poupador, desenvolvida pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Mas a bolsa de valores por acaso vai deixar de cair se um de nós parar de acompanhar o desempenho das ações? Ou a inflação vai parar de subir se deixarmos de assistir o telejornal todos os dias? A resposta é não. Mas uma outra consequência do “efeito avestruz” é certa: uma grande bola de neve. “Os prejuízos se acumulam e as dificuldades se tornam mais difíceis de ser solucionadas, principalmente tendo em vista o efeito dos juros compostos”, explica o material da CVM.

Que tal dar um basta nesse hábito que é tão ruim para o seu bolso? Veja as sugestões da CVM para você se livrar de uma vez por todas do “efeito avestruz”:

  • Fique atento às notícias, mesmo se elas forem ruins. Esteja alerta para as possíveis consequências – positivas e negativas – que elas possam ter no seu bolso, para conseguir se ajustar rapidamente a novos cenários
  • Se gastar demais em um mês, pense logo em alguma despesa que possa ser reduzida ou cortada para compensar
  • Se estourar a fatura do cartão de crédito ou entrar no cheque especial, resolver a situação deve ser sua prioridade máxima. Isso evita a ansiedade associada ao fato de estar devendo. Ah, também pode “esquecer” o cartão em casa de vez em quando!
  • Caso não consiga poupar sua meta em um determinado mês, guarde o que puder para recompor aos poucos seus investimentos
  • Se anotar seus gastos for uma atividade chata demais para você, faça o contrário: anote o quanto ganhou a cada vez que conseguir economizar – quando comprar optar por uma marca mais barata, recusar a sobremesa no almoço, obter um desconto por pagar à vista…). Você vai sentir como isso é bom!

Fonte: CVM

 

 [*]Fonte da Imagem: Reproduçao

Fonte: Do Portal COMOINVESTIR.com.br

Importante: as informações econômico-financeiras acima apresentadas pela DOROW.com.br foram extraídas de fonte de domínio público, considerada confiável. Todavia, as informações acima não representam a opinião de nossos especialistas. As informações econômico-financeiras acima podem conter erros e imprecisões pelas quais a dorow.com.br não se responsabiliza. Todas as informações e opiniões contidas no texto publicado aqui são de responsabilidade única de seus autores e suas fontes.

O objetivo principal do site dorow.com.br é divulgar conhecimento e contribuir com informações sobre finanças pessoais e sobre o mercado financeiro.Importa registrar que as decisões são de cunho pessoal, não podendo ser atribuído a dorow.com.br nenhuma responsabilização por prejuízos ou danos que ocasionalmente algum investidor ou internauta, venham a sofrer. Deste modo, ressaltamos que as informações divulgadas em dorow.com.br não oferecem garantia alguma de rentabilidade e exatidão, vendando a geração de qualquer efeito legal sobre a empresa ou site.

tags: avestruz, efeito, efeito avestruz, Finanças, Finanças comportamentais, Finanças Pessoais, Vida, vida financeira

Um comentário

  • Enquanto as pessoas não tomarem as rédeas de seu orçamento, o alto número de endividados dificilmente cederá.

  • Deixe um Comentário

    Cotaes & Nmeros

    Atualizado // 14.12.2017
    compra venda variao
    Dolar - - -
    Euro - - -
    Libra - - -

    IBOVESPA

    -

    -

    IPCA (ms)

    %

    IPCA (ano)

    %

    0%

    SELIC (ano)

    7,5%